sexta-feira, 30 de Janeiro de 2009

APERFEIÇOAMENTO DE TEXTO

O peixe vive nos dois terços de água espalhados pelo nosso planeta e é pescado por pescadores que vão para o mar, ou para os rios, com os seus barcos, onde lançam as suas redes para o apanhar. Na água subterrânea não há peixes. Depois, o peixe vai para o porto comercial, onde é vendido aos peixeiros que o revendem pelas portas ou aos supermercados. O peixe é, e sempre foi, uma fonte de riqueza para o nosso país mas também pode ser fonte de tristeza porque há pescadores que morrem a fazer o seu trabalho, devido aos naufrágios.
Algumas espécies de peixe estão em vias de extinção. Uns devido à poluição da água e outros devido à pesca excessiva.
Há pessoas que não gostam de peixe , mas o peixe é um alimento muito importante para a nossa saúde porque tem minerais (cálcio, ferro, fósforo …) e vitaminas (A, B12, D, …). A gordura do peixe não é como a gordura da carne. A gordura do peixe é uma gordura saudável. Há peixes gordos e peixes magros. A sardinha, o salmão, o carapau, a cavala são alguns dos peixes gordos. Os peixes gordos são importantes para a manutenção da saúde dos ossos O bacalhau, a pescada, o linguado, a solha são alguns dos peixes magros. No mínimo, devemos comer 4 vezes peixe, por semana.
Com o peixe podemos fazer várias receitas muito saborosas e podemos cozinhar o peixe de várias formas: grelhar, cozer, assar e fritar.
Há peixes de água doce e outros de água salgada. Na água doce podemos encontrar trutas, lampreia, barbo… e na água salgada encontramos sardinha, carapau, pescada, atum. Se quisermos pescar bacalhau temos de ir aos mares gelados do norte.

Cristóvão
4ºano

segunda-feira, 26 de Janeiro de 2009

FERNANDO PESSOA NA ESCOLA

Lêmos o Poema Pial de Fernado Pessoa e ajudámo-lo a fazer a segunda parte.

Toda a gente que tem as mãos quentes
Deve metê-las dentro das correntes.

Pia número onze
Para quem mexe no bronze.

Pia número doze
Para quem bebe uma grande dose.

Pia número treze
Para quem espirra e ao mesmo tempo se benze.

Pia número catorze
Para quem manda no doze.

Pia número quinze
Para quem come em crise.

Pia número dezasseis
Para quem se penteia com os anéis.

Pia número dezassete
Para quem come croquete.

Pia número dezoito
Para quem parte o biscoito.

Pia número dezanove.
Para quem já não se move.

Pia número vinte
para quem cola e pinte.

E como as mãos já não estão quentes
Tampa nas correntes.

4ºano

Acróstico


Cozinha pequena

Rosa tão linda

Ideia tão fresca

Saia tão branca

Top brilhante

Ingrediente saboroso

Nariz que cheira

Aroma bom



Ana Cristina, 3.º

sexta-feira, 23 de Janeiro de 2009

APERFEIÇOAMENTO DE TEXTO


AS ROUPAS


Quando o Homem apareceu na Terra andava nu. Entretanto o clima arrefeceu e o Homem sentiu necessidade de usar roupa para se proteger do frio.
Hoje em dia, as pessoas vestem-se para se proteger mas também para se exibir e o vestuário é uma fonte de rendimento, há muita gente que ganha muito dinheiro a desenhar, a fabricar, a vender e a cuidar da roupa.
A roupa de vez em quando tem que ser lavada, mas antes temos de observar as etiquetas que acompanham as peças de roupa.
Os tecidos para o fabrico do vestuário podem ser feitos de fios de origem natural ou artificial. Os de origem natural são de lã, de algodão, seda e de linho; de origem artificial temos o poliéster, nylon, acrílico, poliamida, elastano, licra… Os tecidos naturais são os mais saudáveis. Os artificiais, às vezes, provocam alergias.
Umas roupas são bonitas e outras feias. A minha mãe e o resto da minha família dão-me roupas lindas e a minha vizinha também .
Eu gosto de me vestir bem, quando saio de casa. Mas quando fico por casa, costumo andar de fato de treino, de pijama ou com as roupas que menos gosto.
Eu adoro vestidos, saias e calções curtos, com topes, mas também gosto de fato de treino.
É bom comprar roupas, mas são caras.



Bárbara, 4ºano

Este texto nasceu pequeno e com a ajuda dos colegas cresceu

quinta-feira, 22 de Janeiro de 2009

A casa dos pássaros


A professora falou na aula para ver se alguém fazia uma casinha para os pássaros e eu, com a ajuda do meu pai, fiz a casinha para os pássaros se abrigarem.

Depois trouxe-a para a escola.
Estava sol e a dona Isabel pôs a casinha pendurada na nossa amoreira e tirei fotografias.
Mostrámos à nossa professora.
Agora vamos ficar à espera que os pássaros venham lá fazer os seus ninhos e pôr os seus ovos e esperamos que eles gostem da casinha nova.

André, 3.º ano

quarta-feira, 14 de Janeiro de 2009

A cigarra e a formiga


Era uma vez uma cigarra que no Verão nunca trabalhava, só cantava!
E quando chegou o Inverno é clario que não tinha comida.
Resolveu então ir pedir comida a uma formiga, porque ela sabia que as formigas guardavam muita comida.
A cigarra perguntou à formiga:
-Pode dar-me umas migalhas de pão?
E a formiga respondeu:
-Não te dou nada porque tu passaste o Verão todo a cantar em vez de guardares comida.

Luis (texto)

Margarida (ilustração)

terça-feira, 13 de Janeiro de 2009

Uma História


A FEITICEIRA DO PARQUE, escreveu Marlène Jobert e ilustrou Sophie Coussaint.
Desta vez, foi a professora a escolher, em casa, o melhor desenho sem saber de quem era. Só na próxima aula saberá quem é o artista.
Na imagem aparece uma joaninha a quem uma feiticeira dorminhoca aspirou as pintas, para as atirar no nariz do Marco.

LIXO À PORTA DA ESCOLA




Ontem, quando chegámos à escola tínhamos uma montanha enorme de lixo, à porta. Alguém tinha feito uma festa e enfiado lixo no contentor até sair fora.
Hoje, a nossa professora levou-nos lá para fora e, todos juntos, apanhámos tudo o que podia ser reciclável, colocámos dentro de caixotes e levámos para os ecopontos, que ficam bem pertinho.
No meio daquilo tudo havia cartão, vidro, latas, embalagens de plástico e muita comida. Ao vermos a comida ficámos revoltados e tristes porque há tantas pessoas a passar fome e outras põe comida no lixo. Era muito lixo e estava todo espalhado.
Depois de termos enchido três caixotes levámos tudo para o embalão, para o papelão e para o vidrão. Enchemos a boca a todos e ainda ficou muita coisa por recuperar, mas não podíamos mexer muito para não ficar tudo espalhado.
Quando regressámos, lavámos muito bem as mãos e desinfectámo-las.
Eu gostava que, a partir de hoje, não houvesse mais lixo fora dos contentores porque faz mal ao ambiente.
Era bom que as pessoas da minha aldeia fossem mais educadas. Deviam fazer reciclagem do lixo e colocar o que não se recicla dentro de sacos bem atados, dentro do contentor, e só no dia em que o camião passa.
Texto da Vanessa, aperfeiçoado

sexta-feira, 9 de Janeiro de 2009



O Inverno enublou o céu e despiu a árvore do nosso recreio.
Malandro!

Para os colegas do 2º e 3º ano:
Não há luar como o de Janeiro, mas vem o de Agosto que lhe dá pelo rosto.

O Inverno em Quintãs


O Inverno é uma das estações do ano.
Este inverno, e os outros também, começou no dia 21 de Dezembro e acabará no dia 21 de Março com o início da Primavera. É a estação do ano do meu aniversário e por isso gosto do Inverno.

Este Inverno está a ser chuvoso e muito frio. Hoje de manhã, quando chegámos à escola, o termómetro marcava 1º negativo, pela rua tudo estava coberto de geada: a relva, os carros, o pinhal, os telhados das casa. A água dos lagos de jardim estava coberta de gelo. Agora, à tarde há sol, mas isso não significa calor.
Por causa do frio, a nossa roupa é muita, grossa, pesada, quente e, às vezes, fofa.
Tivemos o dia mais curto do ano, no 1º dia de Inverno, mas a partir desse dia os dias começaram a crescer ainda que notemos pouco.
Estamos bem em casa porque na escola o aquecimento é fraco e a electricidade está sempre a ir a baixo.
É tempo de passar muitas vezes a ferro, porque há muita roupa, e de estar nas lareiras. É tempo de beber coisas quentes.
O Inverno traz constipações, pneumonias e gripes.
No Inverno, precisamos de muita lenha para os dias como o de hoje.
Cá na nossa sala todos preferimos o Verão, excepto (uma palavra nova) o Cris e a Bárbara.
Texto do Tiago aperfeiçoado por todo o 4ºano

Provérbios de Janeiro

Estes são os provérbios que nós pesquisámos sobre o mês de Janeiro.
Se souberem mais, podem ajudar-nos?


Janeiro fora, uma hora hás-de achar.

Em Janeiro solhas é melhor que carneiro.

Calça brancas em Janeiro, sinal de pouco dinheiro.

A pescada de Janeiro, vale um carneiro.

Não há luar como o de Janeiro nem amor como o primeiro.

Vinho verde em Janeiro, é mortalha no telheiro

Em Janeiro, cada Ovelha com seu Cordeiro

Em Janeiro saltinho de carneiro

Aproveita Fevereiro quem folgou em Janeiro

Janeiro quente, traz o diabo no ventre.

Em Janeiro, sete capelos e um sombreiro.

Janeiro fora cresce uma hora.

quinta-feira, 8 de Janeiro de 2009

O Veado Florido


O desenho do Rúben, sobre a história de António Torrado, "O Veado Florido". O coitado do veado vai dentro de uma rede.
O primeiro ano ouviu a história e aprendeu uma letra nova, o V.
O 4º ano fez a ficha de leitura e o resumo dela.
Cá vai o resumo feito pelo Diogo:
Era uma vez um rei que fazia colecção de animais nunca vistos.
Um dia, mandou os seus criados a buscar mais animais.
Um desses criados apanhou um veado que tinha nas hastes flores brancas.
O criado apanhou-o para levar ao rei, mas ele perdeu as flores. Mesmo assim levou-o porque pensou que era por ser Outono que ele perdia as flores.
Quando chegou ao jardim do palácio, meteu-o numa das jaulas douradas que lá havia.
O veado deixou de comer e sentia-se em baixo e os outros animais também morriam e ficaram doentes.
O rei aborreceu-se om aquilo tudo e mandou o criado soltar o veado chocho e os outros animais também.
Quando o veado se viu cá fora, as suas hastes começaram a florir outra vez. O criado viu e chamou o rei, mas quando ele veio ver já o veado tinha fugido.

terça-feira, 6 de Janeiro de 2009

Dia de Reis



Os Reis Magos do nosso presépio que hoje se desfaz.
Andámos a pesquisar e descobrimos que, afinal, os Reis Magos não eram reis e eram magos porque assim se chamava às pessoas sábias da época e aos sacerdotes.
Também descobrimos que podiam ser mais de seis reis, mas só aparecem três porque relacionaram os reis com o número de prendas ricas que ofereceram ao Menino Jesus: incenso, ouro e mirra.
Isto é o que alguns estudiosos deste assunto pensam.
Talvez se procurássemos mais encontrássemos outras opiniões.
Também se houvesse mais vestígios históricos da época poderíamos ter mais certezas.
4.º ano

segunda-feira, 5 de Janeiro de 2009

O meu dia de Natal

O Natal é um dia especial porque é o dia em que eu abro os presentes e também que a minha prima vai lá jantar a minha casa.
E no fim do comer a sobremesa é bilharacos.
Eu recebi uma boneca, um par de chinelos, um pijama, também uma saca de bombons e um par de meias.

Texto da Paula